Yahoo! Hack Day 2008 Brasil - Bridging The Gap

terça-feira, 11 de novembro de 2008

In this weekend, we have celebrated the first Yahoo! Open Hack in Brazil, it was a great party in fact, the lunch was great, people were taking there time and having fun !!

I can consider myself a luck guy, i was invited to join the Globalcode Team, with my friends Vinicius Senger, Yara Senger, Eder Magalhães, Rafael Nunes, Pedro Germano, and a couple of Globalcode classmates =) ..


Caption: NetBeans plugin presentation





We have divided the work into team groups and as a result we have produced FOUR incredible hacks, yes man, i said four great hacks.. See below:
---------------------------------------------

  1. NetBeans Plugin for Yahoo! Blueprint
  2. JSF Renderkit for Yahoo! Blueprint
  3. Mobile Planning Poker for distributed Teams
  4. Supercrud Mashup for Flickr








Caption: Eder presenting the Planning poker mobile



Obviously, my participation was related to the NetBeans plugin development =), it provides a template for Yahoo Blueprint Web Project, a sample application for Yahoo Blueprint, a JBlueprint librarie that encapsulates the Yahoo! Blueprint' API components (developed by Eder Magalhães), some Help Documents, an Update Center and the Developers Guide pdf file inside NetBeans.. =)




Caption: Award on "Bridging the Gap" Category

Our subject wasn't the prize only, our real intention was to build something useful for Java Developers, and make the work with Yahoo APIs easier with the NetBeans plugin and JSF Renderkit, we are planning open the code on java.net soon and attract new developers to this great platform. so stay tunned for more details !!!

Caption: Globalcode "Super" Team



Caption: Globalcode Team and some friends from São Carlos


Congratulations for all the winners. It’s really amazing to see these great and wonderful work .. you are the best !!

See more details at Yahoo! Developer Network blog by Chris Heilmann




Caption: NetBeans Plugin Presentation


One of the best moments, was the Puff Hacking Video,, see for yourself


Puff Hacking from fczuardi on Vimeo.


Cheers, and we see you again next year !!!!

Evento InfoQ Brasil

domingo, 9 de novembro de 2008

No dia 01/11/2008 rolou o evento de inauguração do Portal InfoQ Brasil, nas palavras do meu amigo Manoel Pimentel,

"Agora a comunidade Brasileira de desenvolvimento de software, possui um importante aliado de nível internacional, pois já está no ar, a versão Brasileira do portal InfoQ, que trata com maestria de assuntos como Java, .NET, Ruby, SOA, Agile e Arquitetura.

Com o nome de InfoQ Brasil, este projeto está sendo possível através da empresa Fratech It e com uma enorme participação da comunidade Brasileira, pois através de um mega projeto com equipes distribuídas, reunimos vários autores e editores do portal, com a meta de traduzir vários artigos, notícias e um importante livro sobre Scrum e XP para o português.

Como marco desse acontecimento histórico para o Brasil, no sábado passado, dia 01 de novembro de 2008, realizamos o InfoQ Launch Meeting (Encontro de Lançamento), no auditório da Faculdade Anhembi Morumbi em São Paulo(SP), com o importante patrocínio da Locaweb e do JCP (Java Community Process) e com o apoio da empresa Teamware, DeveloperWorks e claro, com uma grande participação da comunidade Brasileira.

O evento contou com dois palestrantes internacionais de peso, pois tivemos o Max Lanfranconi, Gerente de Marketing do JCP e Floyd Marinesco, CEO e fundador da InfoQ internacional.

Também tivemos ótimas palestras, feitas por grandes nomes de nossa comunidade nacional como Giovanni Bassi, Fábio Akita, Henry Conceição, Vinícius Senger, Alexandre Gomes, Felipe Rodrigues, Yara Senger, Victor Hugo, Rodrigo Yoshima, Hugo Corbucci, Wagner Santos e Manoel Pimentel, onde cada um deles, dentro de sua especialidade, falou sobre Java, .NET, Ruby, SOA, Agile e Arquitetura.

E no melhor estilo de uma QCon, tivemos dois grandes painéis, um sobre Plataformas distribuídas e outro sobre Agilidade no dia a dia, que fizeram com que todo o público participasse de maneira ativa de ótimas discussões sobre esses dois temas."

Na minha palestra falei sobre arquitetura, explicando as suas origens, e o papel do arquiteto nos dias de hoje, as palestras tiveram uma duração de 30 minutos (algumas passaram o tempo, claro =) , e alguém perguntou,
"Como falar de Arquitetura em 30 minutos ?", bom, para quem falou de EJB 3.1 e apresentou ainda uma DEMO em 5 minutos no Lightining Talk do Sun Tech Days 2008 (Foto ao lado), 30 minutos é luxo.. =)





Segue abaixo minha apresentação, o upload foi feito gentilmente pelo Manoel,



E algumas fotos..



O evento fui muito bom, encontrei os editores, amigos, conheci novas pessoas, tive o prazer de conhecer Felipe Rodrigues, da Fratech, o simpático Max Lanfranconi , gerente de marketing JCP e o próprio Floyd Marinescu =)..

Diversão Garantida !!!

Parabéns NetBeans !!!!

terça-feira, 21 de outubro de 2008


Como muitos já sabem o NetBeans está completando 10 anos de vida, e como homenagem, cantamos parabéns em grupo na época do Sun Tech Days.








Segue o mico, quer dizer o vídeo.


video

No vídeo gravado na churrascaria Jardineira Grill, estão presentes da esquerda para a direita, Renato Bellia e sua esposa, a esposa de um dos meus amigos, logo atrás dela eu e minha esposa, ao lado dela se encontra a minha grande amiga Janice Campbell, atrás dela, Jefferson Prestes e Michel Graciano, no centro Marcelo Castellani (de jaqueta preta), Mauricio "Maltron" Leal, atrás dele Vinicius Senger e Yara Senger, atrás deles, está Greg Sporar, e mais dois gringos da Sun, e logo após a esposa do Bruno com suas lindas filhas, atrás delas se encontra Henrique Meira e seu colega, e por último o JavaMan.

Fonte do Vídeo: http://www.netbeans.tv/on-the-road/Brazilian-Birthday-Song-400/


Outra dessa só daqui a 10 anos... =)

PARABÉNS NETBEANS !!!

Seja Bem Vindo InfoQ Brasil

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Agora está confirmado, e no dia 01 de Novembro já tem uma festa marcada, a Fratech realizará o evento de Lançamento do portal InfoQ Brasil.

Para quem não conhece, o site InfoQ criado e fundado por Floyd Marinescu, o mesmo criador do theserverside, é considerado um dos maiores portais do mundo sobre tecnologia, com diversos artigos técnicos de altíssima qualidade, com material criado por personalidades como Martin Fowler, Joshua Bloch, está chegando ao Brasil com tudo.
E para começar em grande estilo, no dia primeiro será realizado a festa de lançamento no estilo workshop.

Nesse evento teremos profissionais consagrados no mercado falando sobre os tópicos mais importantes abordados no portal. A grade irá abordar assuntos como Java, .NET, SOA, Ruby, Agile e Arquitetura. Todas as palestras terão um formato de painel, expondo o que há de mais recente em cada Queue. No evento irei falar sobre a Queue Architecture.


A vinda da InfoQ não seria possível sem os esforços da Fratech, em especial do Felipe Rodrigues, e o Manoel Pimentel (Visão Ágil), e de todos os editores, de altíssima capacitação técnica, que tem feito o melhor para traduzir o conteúdo do portal para o Português. Sem dúvida para mim é um orgulho participar deste grupo.


Mais informações:

Fratech: http://www.fratech.net/model/event!show.act?event.id=26

Saúde e Sucesso !!!

SCSNI Study Group - Netbeans IDE Certification Exam

sábado, 18 de outubro de 2008

If you don´t know already, and to celebrate 10th NetBeans Birthday yeaahhh, Sun is planning to release a new certification for NetBeans IDE (Beta), if you are interested and would like to know more about it, or you are just looking for material to study, take a look at the SCSNI Study Group, the first study group to this certification, it has a plenty of related stuff.

You can help to increase the group providing mocks, articles, or even changing the site, if you wanna help, please let me know mailling me at wrsconsulting@gmail.com

As a beta tester, you officially test the test and will be able to provide Sun with valuable comments and technical feedback about the Netbeans IDE questions. The Sun beta exam counts towards official Sun Certified Specialist Netbeans IDE (SCSNI) Certification!

Exam Testing Objectives
    Section 1: IDE Configuration
    • 1.1 Demonstrate the ability to configure the functionality available in the IDE, including using enabling and disabling functionality and using the Plugin Manager.
    • 1.2 Explain the purpose of the user directory and the netbeans.conf file and how these can be used to configure the IDE.
    • 1.3 Demonstrate the ability to work with servers in the IDE, such as registering new server instances and stopping and starting servers.
    • 1.4 Describe how to integrate external libraries in the IDE and use them in coding and debugging your project.
    • 1.5 Demonstrate knowledge of working with databases in the IDE, including registering new database connections and tables running SQL scripts.
    • 1.6 Describe how to integrate and use different versions of the JDK in the IDE for coding, debugging, and viewing Javadoc documentation.
  • Section 2: Project Setup
    • 2.1 Describe the characteristics and uses of a free-form project.
    • 2.2 Demonstrate the ability to work with version control systems and the IDE. (Which VCS's are available, which ones you need an external client for, how to pull sources out of a repository, view changes, and check them back in).
    • 2.3 Describe the ways in which you can change the build process for a standard project, such as configuring project properties and modifying the project's Ant build script.
    • 2.4 Configure your project to compile against and run on a specific version of the JDK.
  • Section 3: Java SE Development
    • 3.1 Demonstrate the ability to create NetBeans projects from the source code of an existing Java SE program.
    • 3.2 Describe how to manage the classpath of a Java SE project, including maintaining a separate classpath for compiling and debugging.
    • 3.3 Demonstrate the knowledge of the NetBeans GUI Builder and the ability to lay out and hook up basic forms using it.
    • 3.4 Demonstrate the ability to package and distribute a built Java Desktop project for use by another user.
  • Section 4: Java EE Web Development
    • 4.1 Describe how to create a NetBeans project from the source code of an existing Web application.
    • 4.2 Distinguish between a visual web application and web application.
    • 4.3 Demonstrate knowledge of which web frameworks are available in NetBeans IDE and how they are added to and used in a web application.
    • 4.4 Describe how to monitor HTTP requests when running a web application.
    • 4.5 Demonstrate a knowledge of basic tasks related to building and deploying web applications to a server, such as changing the target server and undeploying an application.
  • Section 5: Editing
    • 5.1 Describe the purpose and uses of refactoring and demonstrate the ability to perform basic refactoring on Java source code.
    • 5.2 Describe how to use the Options window to change the default appearance and behavior of the Source Editor.
    • 5.3 Describe the ways that the IDE highlights errors in source code and the tools the IDE offers for correcting those errors.
    • 5.4 Demonstrate the ability to use editor hints, such as implementing all the methods for an implemented interface.
    • 5.5 Demonstrate the ability to use live code templates such as automatic generation of constructors, try/catch loops, and getters and setters.
  • Section 6: Testing, Profiling, and Debugging
    • 6.1 Demonstrate the ability to work with JUnit tests in the IDE, such as creating JUnit tests and interpreting JUnit test output.
    • 6.2 Describe how to debug a local (desktop) application, including setting breakpoints and stepping through code.
    • 6.3 Describe the difference between local and remote debugging and describe how to debug a remote (web) application.
    • 6.4 Describe the purpose of profiling applications and how to profile a local desktop application in the IDE.

References:

Official Site: http://www.sun.com/training/certification/netbeans.html
Study Group: http://sites.google.com/site/netbeansscsni/
NetBeans 10th Birthday: http://www.netbeans.org/birthday/logos.html

NetBeans Rocks, The only IDE you need !!!

[Resumo Executivo] Evento Smart SOA 2008 IBM

quarta-feira, 15 de outubro de 2008


Na semana passada, no dia 08 estive presente no evento Smart SOA da IBM, uma iniciativa da IBM que levou para 100 cidades ao redor do mundo as novidades em Smart SOA e o lançamento da nova linha de produtos WebSphere, e preparei um resumo executivo do que vi.

O evento foi focado na nova linha produtos Websphere da IBM para suporte a implantação de SOA e foi demonstrado um case de sucesso, da empresa OJC - Organizações Jaime Câmara (TV Anhanguera). Que adotaram a linha de produtos da IBM para implantar os seus processos.

Na primeira apresentação, o vice-presidente de marketing de produto WebSphere Paul Brunet, deu uma introdução ao conceito de SOA e em BPM, neste último tópico, ressaltou a importância da área de negócio mapear os seus processos com BPM.

Afirmou que uma implantação de SOA, requer mudanças nos planos de negócio, e demonstrou alguns números interessantes, como por exemplo, que no mundo dos negócios, 83% dos CIOs esperam mudanças reais em seus processos de negócio, e que 98% dos planos de negócio mudam em decorrência da estratégia corporativo, que por sua vez buscam mais performance e agilidade em seus processos de negócio.

Citou também as prioridades TOP dos CIOs que são:

  • Tornar os processos locais (departamentais) em processos globais (corporativos).
  • Tornar os processos que são automáticos e visíveis em processos dinâmicos, de fácil adaptação e baixo tempo de resposta.

Foi proposto que BPM possibilita a mudança do negócio, sendo SOA o Core (Núcleo) do BPM. Após a apresentação dos conceitos, foi dada uma visão geral do ferramental, entre seus produtos podemos destacar:

WebSphere Process Server para gerenciamento de tarefas humanas e orquestração de processos. O produto oferece visibilidade dos processos em real time de forma consolidada e customizada.

Monitoração dos processos chaves (KPI) e configuração para recebimento de email de acordo com índice.

WebSphere Business Modeler que é uma ferramenta gráfica para gerar os diagramas do BPM, e que é possível gerar os processos executáveis (geração de código). É possível importar modelos criados no Visio e PowerPoint para esta ferramenta.

WebSphere Business Monitor monitoração dos processos e eventos de negócio.

WebSphere Business Events que é um módulo para a parametrização de eventos do sistemas, onde foi explanado o conceito de BEP - Business Event Process, integrado com o módulo WebSphere Business Monitor,

E finalmente foi apresentado o IBM BPM Suite, que é a suíte de ferramentas para SOA da IBM, que fornece em seus módulos o gerenciamento dos eventos de negócio, o controle do conteúdo ativo, relatórios analíticos que dão uma visão real-time das vendas, um engine de regras, seleção de serviços e policies.

Na apresentação de Takeshi Kamimura, ele explicou a importância do alinhamento entre TI e da área de negócio para a implantação de SOA, sem este alinhamento não é possível montar uma arquitetura orientada a serviços. Apresentou estudos que provam que quando existe um alinhamento entre TI e negócios os ganhos de produtividade DUPLICAM.

E apresentou em um quadro padrão das fases de implantação de SOA por abordagem, o percentual em que as empresas brasileiras hoje se encontram.

Como criar o alinhamento entre TI e as áreas de negócio:

  • Desenvolver uma linguagem compartilhada, que TI e negócio entendam.
  • Deixar claro as prioridades (compartilhada).
  • Estabelecer equipe para tomada de decisões conjunta.
  • Utilizar uma linguagem de mercado.
  • Fazer referência à validação externa. (O que existe de melhores práticas no mercado)

Na apresentação do case de sucesso da OJC, Júlio de Oliveira o atual gerente de TI explicou o que os motivou a adotar SOA e a escolha da IBM como parceira. Foram feitas Provas de Conceito, RFP, RFI que apontaram a necessidade de mudança para SOA. Este estudo revelou a IBM como a empresa que atende o negócio. Após escolher a IBM como fornecedora e com base nestas informações montaram uma matriz SWOT para implantação de SOA, que foi aberta para o público, conforme segue:

Para as fraquezas foi montado um plano de ação conforme segue:

  • Reestruturação da equipe.
  • Fixação dos conceitos SOA.
  • Treinamentos contínuos em Java.
  • Workshops sobre as ferramentas.
  • Hands-On.
  • Envolvimento dos consultores do ERP.
  • Foco nas especificações de regras de negócio e na integração.
  • Treinamento Oficiais IBM.
  • Mentoring por Terceiros.
  • Migrar de forma gradual.

Plano de Ação para as Oportunidades.

  • Apresentar conceitos macros, as oportunidades imediatas e as possibilidades em longo prazo (Planejamento Estratégico).
  • Exposição dos resultados parciais. (Quick Wins).
  • Pulso Firme:
    • Equipe
    • Parceiros
    • Clientes Internos.

E por fim, eles apresentaram o case selecionado (Faturamento) para implantação, os fatores que o levaram a escolher este case foram a Relevância, a Rastreabilidade, o Monitoramento e o Risco agregado, tudo isso alinhado aos objetivos do negócio. Com base nestas informações eles selecionaram o sistema de Faturamento.

É importante frisar que em dois anos de implantação de SOA, hoje eles estão em transição para a fase de Transformação (vide quadro acima), e que eles fizeram esta migração para SOA de forma gradativa, e que somente HOJE estão estruturando uma área de Governança em TI, que até então não existia.

Algo que para ser sincero eu nunca teria pensado, até ver a palestra, para mim era inconcebível implantar SOA sem governança. Vivendo e aprendendo !!!

Estimativas Ágeis - Planning Poker

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Em projetos de software tradicionais, (leia-se não ágeis), geralmente fazer estimativa é algo muito chato, e que provavelmente será feito por apenas uma pessoa, que na maioria das vezes essa pessoa é o gerente de projeto, ou o líder da equipe, que utiliza métodos tradicionais para medir uma atividade com análise de ponto de função, ou por linhas de código, etc... mas acontece que quase sempre essa pessoa não conhece a fundo o negócio e as dificuldades técnicas de se implementar uma certa funcionalidade.

O que acaba gerando problemas no decorrer do projeto, pelo fato do analista de negócio (quando tem) não ter previsto uma funcionalidade adicional, ou uma regra de negócio imprescindível para o negócio.

Nesta altura de campeonato, quanto este tipo de situação acontece, geralmente o projeto já esta em um estágio avançado no desenvolvimento, e ATRASADO.. o cliente está puto,,, e sempre quem acaba levando a culpa é o incompetente do desenvolvedor.

Se você já se sentiu familiarizado com este triste relato, pois bem, não fique triste, pois isto já aconteceu comigo e acontece com milhares de pessoas nos dias atuais...

Pois bem, existe solução para este problema?

Sim, existe, se olharmos para alguns dos príncipios ágeis, conforme segue:

"Business people and developers must work together daily throughout the project. "
Traduzindo, quer dizer algo como "Analistas de negócio e desenvolvedores devem trabalhar juntos DIARIAMENTE no decorrer do projeto".
"The most efficient and effective method of conveying information to and within a development team is face-to-face conversation. "
Traduzindo este também,

“O método mais eficiente e efetivo de obter informação para o time de desenvolvimento é na conversa cara-a-cara."
"Welcome changing requirements, even late in development. Agile processes harness change for the customer's competitive advantage. "
E por último..

“Mudanças de requisitos são bem vindas, mesmo em um estágio avançado no desenvolvimento. Processos ágeis alinham as mudanças para vantagem competitiva do cliente."

Uma estimativa bem feita durante a fase inicial do projeto, reduz muito as chances de você ter dores de cabeça no futuro.

Ok, você está se perguntando, "Mas isto não respondeu a pergunta !!!", como eu posso melhorar as estimativas no inicio de um projeto ou de uma nova iteração ???

Existe um método ágil para estimativas, chamada de Planning Poker, esse método foi descrito inicialmente por James Grenning em 2002 e depois popularizado por Mike Cohn no seu livro Agile Estimating and Planning,, essa técnica é muito conhecido em XP.

Para "jogar" o Planning Poker precisamos apenas de uma lista de backlog e um baralho. E o baralho, geralmente composto por cartas que possuem uma seqüência fibonaci ou similar (0, ½, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 50, 80 ,100, ?) e uma carta opcional com um sinal de interrogação.

Por que utilizar esta seqüência, e não um conjunto de números naturais (0,1,2,3,4,5,6,7,etc...) ?

Boa pergunta, mas vou responder com outra pergunta, você consegue distinguir o número 13 do número 14? Fica mais fácil você ter uma noção de separação de complexidade, quando você trabalha com números em uma seqüência fibonaci, imagine que para cada tarefa, quando você for dar o seu peso, pense que uma tarefa com peso 2, é 2 vezes mais difícil que uma tarefa com peso 1.

Voltando ao PP, para jogar, cada participante, geralmente os membros da equipe de desenvolvimento (programadores, testers, designers, etc..) devem possuir uma seqüência de cartas, e cada funcionalidade da lista de backlog irá corresponder a uma rodada do jogo entre a equipe. Os membros não podem conhecer as cartas uns dos outros até início da rodada.

Para facilitar o entendimento, vou demonstrar um exemplo real, imagine que temos uma lista de backlog conforme a tabela abaixo, apresentada pelo Product Owner, e o mesmo dá explicações relacionadas a cada um dos itens, onde todos os membros discutem para chegar a um entendimento do problema.
Na nossa ambiente, vamo imaginar que temos 5 membros, 3 desenvolvedores (Carlão, Maria, Zeca), um tester (Júlio) e uma designer (Rita) e o Project Manager / SM (Walter). O Product Owner neste momento, já deu uma visão dos itens de backlog e explicou a necessidade do negócio, tirou algumas dúvidas e foi embora..

É importante frizar que os membros do time devem estimar todo o trabalho relacionado ao item do backlog, e não apenas a sua parte especifica.

Antes de iniciar a primeira rodada, o SM inicia a discussão:

Walter (SM): Pessoal, o que vocês acharam dessa user story (100)?, o usuário quer um repositório para armazenas os documentos operacionais da empresa assim, assim, assado, então, vamos votar:

Então, neste momento cada membro da equipe, pega uma carta que acha que corresponde com os Story points e depois que todos escolheram suas cartas, tem inicio a rodada. No nosso exemplo, o resultado foi esse:

Rodada 1:
Perceba que na primeira rodada, tivemos pessoas que votaram 50 (Maria, Julio), duas que votaram 80 (Zeca, Rita), um 21 (Carlão) e um 34 (Walter), neste momento o mediador (geralmente o Scrum Master) questiona os resultados.

Walter (SM): Peraí gente, vamos discutir, esta tendo muita divergência, Rita e Zeca, porque vocês acham que essa atividade tem um peso 80?

Rita (Designer): É por que, fico imaginando o tamanho dessa aplicação, já é uma bagunça hoje a forma que é organizado os documentos, imagina só o trabalho de reclassificar tudo, montar um repositório, modelagem, etc... e chora.. ..

Walter (SM): Huum entendi, e você Zeca.

Zeca (Dev): Concordo com a Maria, imagina a quantidade de trabalho.. e chora mais.. etc..

Walter (SM): Carlão porque você acha que é 21, é tão fácil assim??

Carlão (Dev): Na verdade, olhando na ótica do Zeca e da Rita, o problema me parece ser mais complexo do que pensei,..

Walter (SM): Então, o que vocês acham da gente pesquisar alguma ferramenta open source que nos ajude neste trabalho, como um ECM ??? Estava pensando em algo neste tipo, senão realmente teremos muito trabalho,,,

Júlio (tester): Ok Walter, ótima idéia, mas acho que vamos ter muita customização, e com a estrutura que temos hoje não será nada fácil.. Imagine a quantidade de testes !!!

Walter (SM): Certo, se todos estão de acordo, vamos implantar um ECM, vamos fazer mais uma rodada então...

Nisso, é feito a segunda rodada (Tabela 1), podemos ver que houve um consenso..

Neste exemplo simples, podemos observar que alguns benefícios ficam bem claros:
  • O Product Owner descreve cada história resumidamente, de forma que todos tem uma idéia do que esta rolando.
  • A sinergia entre a equipe aumenta, cada for iniciar um Sprint, onde as tarefas estarão bem definidas, os membros do time, terão uma idéia bem definida do que esta sendo feito, do que o seu colega de trabalho esta fazendo.
  • O risco de erros da estimativa diminui dramaticamente.
  • As diferenças de opiniões ficam transparentes, de modo que todos passam a discutir estas diferenças.
  • É possível re-estimar uma user story até que haja um consenso.
Ok, muito legal esta explicação, mas ainda falta algo, qual a relação entre os princípios ágeis citados no início deste artigo com este jogo de cartas?

Bem, respondendo a pergunta, eu diria que tem tudo a ver, quer ver só:
"O método mais eficiente e efetivo de obter informação para o time de desenvolvimento é na conversa cara-a-cara."
Em planning poker todos estão conversando, (quase sempre olho no olho), o que dá transparência ao negócio.
"Analistas de negócio e desenvolvedores devem trabalhar juntos DIARIAMENTE no decorrer do projeto".
Ao fazer o planning poker, estamos discutindo requisitos funcionais e não funcionais, que visam a realização de um desejo do cliente, e geralmente, durate o planning poker está o Product Owner, para tirar todas as dúvidas em relação ao negócio e verificar se está sendo feito o que foi acordado.

E por último..
"Mudanças de requisitos são bem vindas, mesmo em um estágio avançado no desenvolvimento. Processos ágeis alinha as mudanças para vantagem competitiva do cliente."
Isso irá sempre acontecer, sempre haverá novas features/sistemas a serem desenvolvidos, e durante a estimativa podemos discutir de maneira mais técnica, até modelos de arquitetura, pois querendo ou não, a arquitetura/modelo que será desenvolvido o produto tem um forte peso nas user stories. Portanto, a qualidade do código e do modelo é essencial para que as mudanças de requisitos sejam menos "traumáticas".

Estive no Sun Tech Days, e uma palestra que achei interessante foi a "Usando computação social para melhorar a produtividade no seu projeto" da "Java Champion" Fabiane Nardon, onde ela apresentou várias ferramentas para computação social, e uma das ferramentas citadas foi o site "http://www.planningpoker.com/", um site idealizado por Mike Cohn, e propõe uma ferramenta para que time distribuídos façam a estimativa em conjunto, tem algumas coisas a melhorar, mas a idéia é bem bacana..

OBS> Nas fotos acima, a 1º é uma sessão de planning poker no meu ambiente de trabalho, e na segunda foto o PO priorizando e discutindo os itens de Backlog.

Planning poker com certeza é uma ótima prática, e é também uma boa maneira de iniciar no mundo ágil..

Diversão garantida !!!

[JavaEE 6] EJB 3.1 no GlassFish V3 e NetBeans

segunda-feira, 15 de setembro de 2008


Esta semana saiu nas bancas a edição 31 da revista Mundo Java com o título "Futuro do Java Corporativo", com um artigo meu sobre o mesmo tema.
Para quem quer saber o que vai rolar na próxima especificação do Java EE 6, está edição está um prato cheio, portanto compre uma edição e aproveite...
Não vou entrar em muitos detalhes da matéria, mas vou descrever aqui melhor a demo que está na revista, onde apresento uma aplicação utilizando Session Bean da especificação de EJB 3.1 no GlassFish V3.

Instalando o GlassFish V3 e o conteiner EJB

No site do GlassFish baixe o arquivo zip e descompacte em um diretório da sua escolha, a partir deste momento vamos chamar apenas de GLASSFISH_HOME\bin e execute o updatetool (Figura 1).
Na opção available addons, selecione glassfishv3-ejb e clique em Install, esta ação irá instalar o container EJB no Glassfish.

Instalando o plugin GlassFish V3 no NetBeans

Agora inicie o NetBeans (de preferência a versão 6.1 ou 6.5) e instale o plugin do GlassFish V3 para o NetBeans em Ferramentas | Plugins, selecione em plugins disponíveis "Glassfish JavaEE Integration" e clique em instalar.
Após instaldo o plugin, na aba Serviços, adicione um novo servidor, selecione a opção GlassFish V3 e siga os passos apontando o diretório GLASSFISH_HOME de instalação e finalizar.



Vamos explorar agora uma funcionalidade no NetBeans para a criação de CRUD, crie uma nova Aplicação Web na categoria Web e clique em Próximo.
Neste passo digite "DEMO_EJB31" e clique em Próximo, na opção servidores selecione o servidor GlassFish V3 T2 recém instalado e clique em Próximo. No último passo selecione o framework JavaServer Faces e clique em Finalizar.

Agora vamos criar uma aplicação CRUD completa baseada em uma entidade de banco de dados, para isso clique em Arquivo | Novo Arquivo, na categoria Persistence selecione a opção "Classes de entidade do banco de dados" e clique em Próximo.
OBS: Antes de fazer o passo abaixo, inicie o banco de dados Derby na guia Serviços do NetBeans, clique com o botão direito do mouse em Java DB e clique em "Iniciar Servidor".

Neste segundo passo, na lista Fonte de Dados selecione a opção "Nova Fonte de Dados", no campo "Nome JNDI" digite jndi/TesteEJB e na lista "Conexão de banco de dados" selecione o banco "jdbc:derby://localhost:1527/vir" já existente e clique em OK.

Se tudo ocorreu de maneira correta será apresentada uma lista de tabelas disponíveis. Selecione a tabela Employee, clique em Adicionar e em seguida clique em Próximo.

No campo nome do pacote digite br.com.netfeijao.entities e por fim clique no botão "Criar unidade de persistência". Mantenha os valores default clique em Criar e depois clique em Finalizar. Esta ação irá criar a classe persistente Employee no pacote informado.

Agora vamos utilizar um recurso no NetBeans para a criação de um CRUD com páginas JSF baseado em entidades JPA, no caso a classe Employee que acabamos de criar. Acesse o menu Arquivo | Novo Arquivo, na pasta categoria Persistence selecione "Páginas JSF de classes de entidade" e clique em próximo. Adicione a única classe persistente (Employee) existente (ver figura 1), clique em Próximo e a seguir clique em Finalizar.
Execute a aplicação pressionando o botão F6 e faça testes, perceba que o NetBeans criou uma aplicação completa "a lá Ruby on Rails" com apenas alguns cliques.

public class EmployeeController {
private Employee employee = null;
private List employees = null;
@Resource
private UserTransaction utx = null;
@PersistenceUnit(unitName = "DEMO_EJB31PU")
private EntityManagerFactory emf = null;

public EntityManager getEntityManager() {
return emf.createEntityManager();
}
public int batchSize = 5;
private int firstItem = 0;
private int itemCount = -1;

public SelectItem[] getEmployeesAvailableSelectMany() {
return getEmployeesAvailable(false);
}

public SelectItem[] getEmployeesAvailableSelectOne() {
return getEmployeesAvailable(true);
}

private SelectItem[] getEmployeesAvailable(boolean one) {
List allEmployees = getEmployees(true);
int size = one ? allEmployees.size() + 1 : allEmployees.size();
SelectItem[] items = new SelectItem[size];
int i = 0;
if (one) {
items[0] = new SelectItem("", "---");
i++;
}
for (Employee x : allEmployees) {
items[i++] = new SelectItem(x, x.toString());
}
return items;
}

public Employee getEmployee() {
if (employee == null) {
employee = getEmployeeFromRequest();
}
if (employee == null) {
employee = new Employee();
}
return employee;
}

public String listSetup() {
reset(true);
return "employee_list";
}

public String createSetup() {
reset(false);
employee = new Employee();
return "employee_create";
}

public String create() {
EntityManager em = getEntityManager();
try {
utx.begin();
em.persist(employee);
utx.commit();
addSuccessMessage("Employee was successfully created.");
} catch (Exception ex) {
try {
if (findEmployee(employee.getId()) != null) {
addErrorMessage("Employee " + employee + " already exists.");
} else {
ensureAddErrorMessage(ex, "A persistence error occurred.");
}
utx.rollback();
} catch (Exception e) {
ensureAddErrorMessage(e, "An error occurred attempting to roll back the transaction.");
}
return null;
} finally {
em.close();
}
return listSetup();
}

public String detailSetup() {
return scalarSetup("employee_detail");
}

public String editSetup() {
return scalarSetup("employee_edit");
}
..
}
Listagem 1 - Parte da Classe EmployeeController gerado pelo NetBeans

Perceba que o NetBeans gerou o código de persistencia em uma classe controller, vamos melhorar um pouco isto, tirando o código de acesso aos dados e isolando isto em uma classe DAO, depois vamos transformar esta classe em um EJB sem interface,

OBS> Cuidado, o uso de um EJB DAO deve ser restrito, pois dependendo do seu uso, isso pode ser um Anti-Pattern

Vamos criar uma nova classe Java acessando o menu Arquivo | Novo Arquivo. Nomeie a classe como EmployeeDAO no pacote br.com.mundojava.dao. Nesta classe vamos colocar todos os métodos de acesso ao banco utilizados na classe EmployeeController e inclui-los na classe recém criada. Veja parte do código na Listagem 18.

Vamos criar uma nova classe Java acessando o menu Arquivo | Novo Arquivo. Nomeie a classe como EmployeeDAO no pacote br.com.mundojava.dao.
Adicionalmente vamos criar uma classe para tratamento de Exceptions, crie uma classe e nomeie de DatabaseException, na classe DAO vamos encapsular os erros de acesso a banco nesta classe.

Criada a classe DAO, vamos colocar todos os métodos de acesso ao banco utilizados na classe EmployeeController. Feito isto, transforme esta classe EmployeeDAO em um EJB colocando a anotação Stateless em cima da declaração da classe. Veja parte da classe criada na Listagem 2.

@Stateless
public class EmployeeDAO {

public static final int PROCESSADO = 1;
public static final int JA_EXISTE = 2;
public static final int ERRO = 3;

@PersistenceUnit(unitName = "DEMO_EJB31PU")
private EntityManagerFactory emf;

private EntityManager getEntityManager() {
  return emf.createEntityManager();
}

  public Employee getEmployeeFromRequestParam(Object employee) {
    EntityManager em = getEntityManager();
     try{
       Employee o = em.merge((Employee) employee);
       return o;
     } finally {
       em.close();
     }
  } 

  public int create(Employee employee) throws DatabaseException{
    EntityManager em = getEntityManager();
    try {
      em.getTransaction().begin();
      em.persist(employee);
      em.getTransaction().commit();
      return EmployeeDAO.PROCESSADO;
    } catch (Exception ex) {
      try{
       int opt = 0;
       if (getEmployee(employee.getId()) != null) {
         opt = EmployeeDAO.JA_EXISTE;
       } else {
         opt = EmployeeDAO.ERRO;
         throw new DatabaseException("A persistence error occurred.");
       }
       em.getTransaction().rollback();
       return opt;
      }catch(Exception sup){
        throw new DatabaseException("An error occurred attempting to roll back the transaction.");
      } finally {
        em.close();
      }
    }
  }

public void edit(Employee employee) throws DatabaseException {
EntityManager em = getEntityManager();
try {
em.getTransaction().begin();
em.merge(employee);
em.getTransaction().commit();
} catch (Exception ex) {
try {
em.getTransaction().rollback();
throw new DatabaseException(ex.getLocalizedMessage());
} catch (Exception e) {
throw new DatabaseException("An error occurred attempting to roll back the transaction.");
}
} finally {
em.close();
}
}
...
}
Listagem 2 - Parte da classe EmployeeDAO recém criada.

Fica um desafio para o leitor do blog, criar os métodos
public void destroy(Employee employee);
public List getEmployees(boolean all, 
                         int batchSize, 
                         int firstItem); 
public List getEmployees(boolean all,  
                         int batchSize,  
                         int firstItem); 
public Employee getEmployee(Integer id); 
public int getItemCount();
Por fim, na classe EmployeeController vamos fazer algumas alterações para consumir o EJB sem interface. Primeiro declare uma variável do tipo EmployeeDAO, e vamos injetar com a referência do EJB, e troque todas as referências ao código de acesso ao banco para apontar para o nosso EJB DAO, veja como ficou na classe EmployeeController na Listagem 3.

public class EmployeeController {
private Employee employee = null;
private List employees = null;
public int batchSize = 5;
private int firstItem = 0;
private int itemCount = -1;
@EJB
EmployeeDAO dao;

public SelectItem[] getEmployeesAvailableSelectMany() {
return getEmployeesAvailable(false);
}

public SelectItem[] getEmployeesAvailableSelectOne() {
return getEmployeesAvailable(true);
}

private SelectItem[] getEmployeesAvailable(boolean one) {
List allEmployees = getEmployees(true);
int size = one ? allEmployees.size() + 1 : allEmployees.size();
SelectItem[] items = new SelectItem[size];
int i = 0;
if (one) {
items[0] = new SelectItem("", "---");
i++;
}
for (Employee x : allEmployees) {
items[i++] = new SelectItem(x, x.toString());
}
return items;
}

public Employee getEmployee() {
if (employee == null) {
employee = getEmployeeFromRequest();
}
if (employee == null) {
employee = new Employee();
}
return employee;
}

public String listSetup() {
reset(true);
return "employee_list";
}

public String createSetup() {
reset(false);
employee = new Employee();
return "employee_create";
}

public String create() {
int resultado = dao.PROCESSADO;
try {
resultado = dao.create(employee);
if (resultado == dao.PROCESSADO) {
addSuccessMessage("Employee was successfully created.");
} else if (resultado == dao.JA_EXISTE) {
addErrorMessage("Employee " + employee + " already exists.");
}
} catch (Exception ex) {
ensureAddErrorMessage(ex, ex.getLocalizedMessage());
}
return listSetup();
}

public String detailSetup() {
return scalarSetup("employee_detail");
}

public String editSetup() {
return scalarSetup("employee_edit");
}

private String scalarSetup(String destination) {
reset(false);
employee = getEmployeeFromRequest();
if (employee == null) {
String requestEmployeeString = getRequestParameter("jsfcrud.currentEmployee");
addErrorMessage("The employee with id " + requestEmployeeString + " no longer exists.");
String relatedControllerOutcome = relatedControllerOutcome();
if (relatedControllerOutcome != null) {
return relatedControllerOutcome;
}
return listSetup();
}
return destination;
}

public String edit() {
EmployeeConverter converter = new EmployeeConverter();
String employeeString = converter.getAsString(FacesContext.getCurrentInstance(), null, employee);
String currentEmployeeString = getRequestParameter("jsfcrud.currentEmployee");
if (employeeString == null || employeeString.length() == 0 || !employeeString.equals(currentEmployeeString)) {
String outcome = editSetup();
if ("employee_edit".equals(outcome)) {
addErrorMessage("Could not edit employee. Try again.");
}
return outcome;
}
try {
dao.edit(employee);
addSuccessMessage("Employee was successfully updated.");
} catch (DatabaseException ex) {
String msg = ex.getLocalizedMessage();
if (msg != null && msg.length() > 0) {
addErrorMessage(msg);
}else if (getEmployeeFromRequest() == null) {
addErrorMessage("The employee with id " + currentEmployeeString + " no longer exists.");
return listSetup();
} else {
addErrorMessage("A persistence error occurred.");
}
return null;
}
return detailSetup();
}

public String destroy() {
employee = getEmployeeFromRequest();
if (employee == null) {
String currentEmployeeString = getRequestParameter("jsfcrud.currentEmployee");
addErrorMessage("The employee with id " + currentEmployeeString + " no longer exists.");
String relatedControllerOutcome = relatedControllerOutcome();
if (relatedControllerOutcome != null) {
return relatedControllerOutcome;
}
return listSetup();
}
try {
dao.destroy(employee);
addSuccessMessage("Employee was successfully deleted.");
} catch (DatabaseException ex) {
ensureAddErrorMessage(ex, ex.getLocalizedMessage());
return null;
}

String relatedControllerOutcome = relatedControllerOutcome();
if (relatedControllerOutcome != null) {
return relatedControllerOutcome;
}
return listSetup();
}
...
}

Listagem 3 - Classe EmployeeController refatorada para utilizar o EJB DAO sem interface

Perceba que na expressão "@EJB EmployeeDAO dao" estamos referenciando ao EJB, sem interface para atrapalhar, claro que não é possível criar uma instância utilizando a palavra reservada new ainda, na verdade estamos trabalhando com um proxy, mas se quisermos podemos fazer um lookup utilizando JNDI também.
Vou deixar o restante dos métodos para o leitor resolver, é apenas trocar a referencia pela classe dao conforme os métodos acima.


Compile e faça o deploy, rode a aplicação, se tudo deu certo você irá ver a sua aplicação rodando (ver figura 2) com um EJB sem interface, e o melhor, o EJB está dentro de um arquivo .war, já estamos implementando o empacotamento simplificado.






Veja como ficou o empacotamento do nosso projeto na Figura 3.



Para maiores informações sobre o futuro do Java Corporativo, leia a edição 31 da Mundo Java, que ainda traz ótimos artigos como:

  • EJB 3.1:Conheça as Novidades do Futuro do Java Corporativo.
  • Autor:Wagner Roberto dos Santos
  • Grizzly e Comet - Ajax Reverso com Escalabilidade.
  • Autor: Pedro Cavalero
  • Usando o Mavem para melhorar a Qualidade dos seus Projetos.
  • Autor:Márcio Varchavsky
  • Criando Software mais próximo do Cliente com Domain-Drivgen Design.
  • Autor:Sérgio Lopes
  • Setembro: Mês de Java.
  • Autor:Mauricio Leal
  • Testes de unidades Avançadas com JMock 2
  • Autor:Eduardo Guerra
  • Gerenciamento de Conteúdo Web com OpemCMS -Customização de Sites.
  • Autor:Rodrigo Cunha de Paiva
  • Tirando o Máximo dos Interceptors no Struts2.
  • Autor: José Yoshiriro Ajisaka Ramos
  • Tendências em Foco:Ganhando com Open Source
  • Autor:Cezar Taurion
  • Jogo Rápido
  • Autor:Charbel Symanski e Rodrigo Barbosa Cesar
  • Mundo OO: Requisitos Executáveis com FIT
  • Autor:Rodrigo Yoshima
  • SOA na Pratica:Iniciando Projetos SOA.
  • Autor:Ricardo Ferreira









Diversão Garantida !!!

[Just Java 2008] - Considerações

domingo, 14 de setembro de 2008

.
O Just Java, o maior evento independente da comunidade Java no Brasil, rolou nos dias 10, 11 e 12 de Setembro, e mais uma vez tivemos ótimas palestras, eu particularmente participei apenas nos dias 10 e 11, que foram os dias que tive as minhas palestras.

No dia 10 apresentei junto com meu grande amigo e professor Renato Bellia a palestra "Java EE 6/ EJB 3.1 e o Futuro do Java Corporativo", confesso que fiquei bem nervoso durante a apresentação por conta do grande número de pessoas presentes, o auditório estava extremamente lotado, com pessoas de pé e sentadas no chão..

No dia 11 foi dia de apresentar o framework Diamond Powder - Produtividade Open Source para Java ME , desenvolvido pelo Bellia, minha parte na apresentação foi mostrar o plugin que desenvolvi para o NetBeans, onde auxilia a criação do Schema, nesta apresentação fiquei muito mais tranquilo, o público era bem menor (ver foto),, mas o que me deixou muito mais calmo foi o fato de estar atrás de um teclado, mostrando código, as funcionalidades ali, na hora =) ,,,





No mais, foi muito bom conhecer caras como Kohsuke Kawaguchi e Roger Brinkley da Sun, e conheci pessoalmente o Eduardo Guerra da Mundo Java, inclusive tivemos uma ótima conversa com o Kawaguchi sobre o metadados, GlassFish V3, OSGi, entre outras coisas.

E claro, foi ótimo rever os amigos, Mauricio Leal, Bruno Souza, Michel Graciano, Alessandro Lazarotti, Cristian Sanchez, Jefferson Prestes, Carlos Fernando Gonçalves e toda a galera da Globalcode.


O evento como um todo foi muito bom, e mostra a força que tem, parabéns para o Mauricio Leal e o SOUJava que trabalharam muito para trazer a todos um evento com ótimas palestras e uma organização impecável... só mais um comentário, é impressionante ver como a galera ama Java =) heheh,, o evento começou as nove horas da manhã e acabava apenas as oito da noite, só que depois deste horário ainda tinham as muvucas, que acabavam em torno das 21:00 - 21:30, o engraçado foi ver que tinha pessoas tristes por ter acabado a muvuca 21:30, incluvise tem quem sugerisse um happy hour após as muvucas para continuar as discussões.. =) ,,


Brincadeiras a parte, parabéns a todos que fizeram o evento a acontecer, é por essas e outras que a linguagem é a mais utilizada no mundo..

Diversão garantida !!!!

Just Java 2008

domingo, 31 de agosto de 2008


Esta chegando o Just Java 2008, em Setembro no mês do Java a festa do Just Java será em São Paulo nos dias 10, 11 e 12 de Setembro. Será a 7a edição do principal evento da Comunidade Java Brasileira.
Serão 3 dias com várias palestras relacionadas a Java e agora com alguns temas sobre Agile, hora de aprender um pouco mais, rever os amigos e reforçar o Networking.

Eu vou representar no Just Java com duas palestras junto com meu grande amigo Renato Bellia, no dia 10 ás 15:00 hs com a palestra Java EE 6 / EJB 3.1 e o Futuro do Java Corporativo no auditório superior 2, e no dia 11 de Setembro será a vez de falar do framework Diamond Powder - Produtividade OpenSource para JavaME, que é um projeto criado pelo Bellia.

Neste projeto do Diamond Powder, tive a felicidade de participar com o desenvolvimento de um plugin para o NetBeans para facilitar a criação do Schema, que é um Hashtable que descreve o os campos do coletor, as páginas, fluxo de navegação com opção de persistência.
Você que desenvolve aplicativos embarcados vale a pena conhecer este framework!!

Site do Evento: http://www.sucesusp.org.br/justjava2008/
Grade de Palestras:
http://soujava.org.br/display/v/Grade+de+Palestras
Diamond Powder no java.net: https://diamond-powder.dev.java.net/
Blog do Diamond Powder: https://diamond-powder.dev.java.net/

Participe, é diversão garantida !

Entendendo REST (REpresentational State Transfer)

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Você já precisou explicitamente utilizar algum método (PUT, DELETE, POST, GET) do protocolo HTTP, muito dificil, geralmente quando o fazemos, nós fazemos isto ao desenvolver uma aplicação web para especificar o tipo de submit, enfim, agora encontraram uma solução muito útil para utilizar os tais métodos, que é através de REST (REpresentational State Transfer), que é o nome dado por Roy Fielding em sua tese de doutorado, muita gente confunde REST com Web Services SOAP, mas ambos são totalmente diferentes.

REST são serviços stateless e arquiteturas baseadas nela são construídas a partir de "pedaços de informação" únicas identificadas por URIs. Em sistemas REST, os recursos são manipulados através da troca de representações do recurso.

Ex.:
http://netfeijao.blogspot.com/colecao/marvel/spiderman/3

Neste exemplo, atráves desta URI estamos definindo como a URI mapeia nossos recursos, no exemplo fica muito fácil entender como funciona, identificamos nossa chave primária (3) no último elemento, e o nome da coleção (spiderman), podemos ainda definir um serviço que me retorne uma coleção de objetos do spiderman caso seja omitido a chave primária,

Por as URIs serem únicas ganhamos uma busca otimizada e posso ter multiplas representações oferecendo esta informação em vários tipos de formatos como XML, JSON e XHTML.

Temos um DE-PARA dos métodos HTTP com as funções CRUD que queremos desempenhar em um sistema baseado em REST, conforme tabela abaixo:

Características dos métodos HTTP em REST

Método GET.

Utilizado para retornar informação de acordo com a URI informada.
Não deve uma mudança de estado
Fica no cache.

Método POST

Utilizado para adicionar uma nova inforamação

Métodp PUT
• Utilize PUT para alterar uma informação
• Controle total na entidade utilizada quando o ID ou chave primária é conhecido

Ex.: PUT /colecao/marvel/spiderman/3-456789012


Método DELETE
Remove (logicamente) uma entidade
Ex.: DELETE /colecao/marvel/spiderman/3 (Exclui Spiderman nº 3)


Benefícios do REST.

Serviços baseados em REST são muito fáceis de entender e de se trabalhar, pois o cliente que vai utilizar o serviço REST não precisa utilizar nenhuma API especializada, ele utiliza apenas HTTP padrão =), podemos usar nosso browser para testes e experimentos.
URI é uma maneira uniforme de identificar recursos e o HTTP é o meio utilizado para manipular estes recursos.
Fácil consumir e desenvolver com linguagens de scripting..


Web Services SOAP vs Serviços REST

SOAP WS.

  • Poucas URIs, muitos métodos customizados
  • comicsPort.getComics("spiderman")
  • Utiliza HTTP para trafegar mensagens SOAP.
  • Muitos padrões (WS-*)
  • Deve seguir um contrato WSDL.
Web Services baseados em SOAP diz respeito a SOA.

ex: Serviço de venda de quadrinhos
comicService.vender("spiderman", 3, 250);

RESTful WS.
  • Muitos recursos (URIs), poucos métodos fixos.
  • HTTP é o protocolo de transporte.
Web Services baseados em REST diz respeito a um novo conceito chamado de ROA
(Resource-Oriented Architecture)

ex: Recurso de venda de quadrinhos

POST /colecao/marvel/spiderman/3-250

Para a construção de serviços baseados em REST em Java, foi disponibilizada o JAX-RS, que é uma API para Web Services RESTful, em breve vou blogar com exemplos no GlassFish

[Getting Real] Caindo na Real no Desenvolvimento de Software

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Este ultimo mês, finalmente li o livro da 37signals.com, chamado Getting Real, dos mesmos criadores do framework Ruby on Rails, onde eles criticam de maneira agressiva o desenvolvimento de software tradicional, e expõe os seus pontos de vista, e não dão a mínima importância de ir contra a maioria dos conceitos que aplicamos diariamente em nossos projetos.
É uma leitura no mínimo interessante, e com certeza recomendada, tem vários conceitos que ficam inviáveis de se aplicar na maioria das empresas, mas com certeza ajuda a abrir os olhos para muitas coisas, se você não quiser ler o livro, recomendo pelo menos a leitura do resumo que fiz abaixo, boa leitura !!!!
******************************************************
Caindo na Real.
Quer construir uma aplicação web de sucesso? Então é hora de Cair na Real. Caindo na Real é o menor, mais rápido e melhor caminho para construir software. Veja como:
Construir menos
Desenvolver apenas o arroz com feijão.
  • Menos funcionalidades
  • Menos opções/preferências
  • Menos pessoas e estrutura empresarial
  • Menos reuniões e abstrações
Construir software para você mesmo.
Com paixão, realmente goste do que faz, acredite no seu software, seguindo a filosofia da comunidade open source.
Viva o software que você produz, fale dele, realmente se importe com isso.
Financie você mesmo
Não conte com o dinheiro de fora. Isso pode trazer dor de cabeça, pois um projeto financiado traz consigo prazos, cobranças, expectativa, metas, inchação de saco, e por fim acaba sendo produzido um produto medíocre.
Em projeto sem dinheiro de fora você tem tempo para desenvolver e com isso mais qualidade,
O que você pode fazer em 3 meses ao invés de 6 ?
Prazo fixo, orçamento, flexibilidade no escopo.
Faça o arroz e o feijão, aquilo que será o core do sistema, o que puder ser feito dentro do prazo e do orçamento, ótimo, fora disso a qualidade do produto irá sofrer, sempre diminua o escopo, sempre haverá novas features para serem incluídas no futuro.
Tenha um inimigo
Arrume um inimigo, veja um produto no mercado que seja um concorrente e faça algo inovador no seu produto, sem querer imitir, tome um caminho oposto, e faça uma proposta diferente para abordar o seu produto.
Tendo em mente o seguinte pensamento “Não siga o líder”, conte uma história diferente para os seus clientes. Não tente convencer o seu cliente de que ele fez uma escolha errada, ao invés disso mostre as qualidades do seu software.
Menos massa
Quanto mais robusto você for, mais fácil será se adaptar as mudanças.
Menos massa diminuir o custo de mudança.
Mais massa é:
Contratos de longos termos, excesso de burocracia, decisões permanentes, reuniões sobre outras reuniões, processo moroso, inventário (físico e mental), ficar preso a fornecedores, formatos de dados proprietários, o passado mandando no futuro, roadmaps, políticas de escritórios.
Menos massa é:
Pensamento just-in-time, time com membros multi-tarefa, abraçar as regras ao invés de tentar burlá-las, menos software, menos código, times pequenos, simplicidade, formatos de dados abertos, produtos open source, uma cultura aberta que é fácil de admitir erros.
Abrace as Regras
Permita que as restrições guiem você para soluções criativas. Não reclame sobre a falta de recursos (tempo/dinheiro/equipe). Trabalhe com o que tem e veja o lado bom disto. Em um bom time, limitação traz boas idéias (inovação) e força o foco.
Tenha times pequenos
Times pequenos melhoram o entendimento do grupo, potencializa o fluxo de informação e evita guerra de egos. O ideal em um projeto é ter times de até 3 pessoas.
Seja você mesmo e sinta a dor
Seja diferente dos grandes players, trabalhando o lado pessoal sendo amigável com os clientes, dê um atendimento pessoal sempre que possível, atenda seu cliente, conheça seu cliente, por default, empresas pequenas são mais próximas do cliente, utilize isto como uma vantagem, e conheça seu cliente, que desta maneira você irá ver seu produto por um outro foco.
Sinta a dor que o seu cliente passa, quando ele reclama de alguma coisa, NÃO FAÇA OUTSOURCING DO SAC PARA UM CALL CENTER OU UM OUTRO TERCEIRO, FAÇA ISTO VOCÊ MESMO.
Passe confiança para o cliente, a nível de passar o seu número celular se possível, traga o cliente para perto de você, pois isto inspira confiança.
Mantenha o Foco.
O seu aplicativo deve ter uma identidade, um objetivo, e nunca deve perder o seu propósito, tenha sempre em mente o que ele deve fazer e nunca fuja do foco.
Eleja o cliente/mercado correto e foque somente neste nicho, se você tentar agradar a todos, nunca irá dar certo.
Ignore os detalhes no primeiro momento
Faça o seu produto o mais simples possível, pense no “floreamento” em um segundo momento, ou até mesmo deixe para lá, deixe que o usuário trabalhe como o que tem.
É um problema somente quando é um problema
Não perca seu tempo tentando arrumar bugs que não existem, não faça algo pensando em resolver um problema que não existem.
Por exemplo, porque montar uma aplicação altamente escalável em um primeiro momento, se você não sabe ainda se vai precisar, ou não sabe a quantidade de acessos sua aplicação irá ter... crie sua aplicação e depois se preocupe para resolver isto, quando sua aplicação for um sucesso. Pois se formos pensar, sempre teremos que rever a nossa aplicação, em termos de tunning, dimensionamento, etc...
Meio Produto, não Meia Boca.
Atenha-se ao que é verdadeiramente essencial. Boas idéias podem ser tiradas da gaveta. Pegue tudo que você acha que seu produto deve ser e corte pela metade. Remova funcionalidades até que você obtenha apenas o essencial. E então, repita o processo.
FAÇA ALGO QUE VOCÊ POSSA GERENCIAR.
FAÇA UM SOFTWARE PARA UM PÚBLICO GERAL E FAÇA COM QUE O USUÁRIO ACHE SUAS PRÓPRIAS SOLUÇÕES.
O Não é a resposta,
Uma vez com o produto lançado, prepare-se para uma enxurrada de requisições de usuários, do tipo, porque não colocar isso? Porque não coloca aquilo? etc...
A primeira resposta é sempre NÃO. Nós não precisamos de um milhão de funcionalidades, eu mesmo não utilizo metade das funcionalidades do NetBeans, só altere seu produto, quando começar a pipocar várias vezes a mesma requisição.
Outra coisa, você não precisa de uma lista de backlog, o fórum /lista de discussão é o melhor local, pois aquilo que realmente precisa ser feito, irá sempre aparecer.
O que você não quer?
Busque feedback dos usuários, e pergunte por funcionalidades que eles não utilizam ou coisas que eles não querem, então, tire do seu software, mantenha seu software o mais simples possível.
Coloque seu código para rodar,
Não espere muito tempo para colocar seu software no ar, coloque no ar, e vá incluindo novas funcionalidades aos poucos.
Celebre as pequenas vitórias, uma coisa importante é a motivação, diminua suas iterações, no meio de uma semana atribulada busque algo que foi feito durante a semana, uma funcionalidade, uma melhoria, retirar uma funcionalidade não utilizada e comemore... pois isto irá trazer desejo de mais pequenas vitórias.
ABOMINE REUNIÕES.
Você já parou para pensar, em quanto tempo você já perdeu da sua vida em reuniões inúteis ? Muitas né .. pois é, eu também :(,, no livro o cara detona as reuniões. Nunca faça reuniões, somente em último caso, se não tiver como evitar, faça uma reunião de no máximo 30 minutos, convide o menor número de pessoas possíveis, e procure não perder o foco. Sempre tem aquele que acaba desvirtuando para um assunto totalmente fora do foco.
Não contrate,
Mantenha um número pequeno de pessoas, somente contrate em último caso, se sair alguém, espere por um tempo, e veja se aquela pessoa esta fazendo falta, se estiver fazendo muita falta, contrate, senão, não.
Ações, Não Palavras.
Se for contratar, procure caras que fazem open-source, pois de quebra, você pode analisar a qualidade do código, cultura, nível de paixão, se a pessoa é social. Open source rules !!! Contrate caras que sabem escrever bem, tenham boa comunicação, e que sejam entusiasmadas.
Primeiro a interface,
Faça primeiro a interface, depois codifique, fica muito mais fácil quando você vê o produto.
Depois de iniciar o desenvolvimento, desenvolva de dentro para fora, começando pelo núcleo do seu código.
Trabalhe pensando nos 3 estados, no estado regular, que é quando o usuário vê a tela funcionando normalmente, estado da tela em branco, quando o usuário vê a tela ao utilizar a tela primeira vez, este estado é importante pois marca a primeira impressão. E o estado de erro, que é quando acontece algo de errado na aplicação.
Felicidade Otimizada
Utilize ferramentas que deixe seu time feliz e excitado, pois um desenvolvedor feliz é um desenvolvedor produtivo.
Se desenvolvedores fossem pagos para remover código de seus programas,.
Ao invés de escrever novo código, seu software seria muito melhor, pense nisso.
Abra as portas
Disponibilize para o mundo seu software através de RSS, APIs, Widgets etc..
Isso faz toda a diferença, se possível torne seu software extensível.
Amostra Grátis
Quando lançar seu produto, disponibilizar amostras grátis, deixe o seu cliente em potencial testar seu produto, mas deixe sempre funcionalidades na manga para o produto licenciado, deixe a funcionalidade a mostra, quando o usuário clicar na opções, avise-o esta funcionalidade é para clientes que tem uma assinatura, bla bla bla..
Não tem nada de funcional e uma especificação funcional,
Não escreva especificações funcionais, pois elas não refletem a realidade, isso é feito para fazer as pessoas felizes, ela leva para acordo ilusório, pois cada um pode interpretar de uma maneira um texto.
Especificações funcionais levam você a tomar decisões importantes quando você tem menos informação. Essas especificações não fazem você evoluir, mudar, ou revisar pois você fica preso naquele escopo.
E bata de frente com os bloqueadores, pois vai aparecer várias pessoas querendo todo tipo de documentação, o que com certeza vai atrasar todo o processo. O melhor a fazer é ter os conceitos bem formados na cabeça, iniciar um protótipo estático, isto dará uma idéia muito madura do que deve ser feito.
Mais uma vez, NÃO FAÇA DOCUMENTAÇÃO QUE NINGUÉM IRÁ LER.
Escreva estórias, não detalhes.
Lembra do user stories, então, é isso aí.
Fácil para entrar, fácil para sair,
No site, torne fácil o processo de adesão do produto e o de cancelamento, pois é mais difícil um cliente que não teve problemas ao cancelar a assinatura de voltar a assinar do que o cliente que ficou nervoso ao tentar cancelar e não conseguiu.
Evite contratos de longo termo, taxas de assinatura, etc... não tente enganar seu cliente para ganhar mais dinheiro, seja HONESTO sempre.
Luva de Pelica
Precisa dar uma má notícia como aumento de preço, faça de uma maneira que não vá agredir, ou seja, vá avisando aos poucos, enviando emails comentando de melhorias, de novas aquisições (de hardware), etc... e por isso nós próximos meses teremos um pequeno reajuste, bla bla bla.. isso dói muito menos, do que chegar na hora H e pegar o cliente desavisado, é pedir para apanhar.
Lançamento estilo Hollywood
Vá do teaser para o trailer para o lançamento.
O esquema é marketing, para o seu produto faça um lançamento no estilo Hollywood.
Teaser
Alguns meses antes, já inicie o projeto, divulgando o produto em sites relacionados, crie um logo, crie um site promocional, com algumas novidades semana a semana, para ir alimentando a curiosidade de seus futuros clientes. Crie uma lista para as pessoas receberem avisos do que está rolando, novidades.
Trailer
Nesta fase, lance um produto beta com preview de algumas funcionalidades, deixe um grupo de pessoas testarem, e colha opiniões, bugs, etc...
Lançamento
Divulgue, faça com que todos voltem a atenção para o seu software, reformule o hot site, coloque blog, tour, um overview, relate cases, Valores, formulários para inscrição, testemunhos,
Blog é o melhor marketing que existe, você não gasta nada (apenas tempo) e as vezes o efeito é melhor do que uma propaganda na mídia.
Promova seu software através da educação, ensine as pessoas a utilizarem seu software, com tutoriais, vídeo aulas, seminários, etc..
E deixe o software o mais fácil possível, utilize FAQs, e help na aplicação, tente deixar um nível próximo de zero a necessidade de um treinamento.
De um nome
Dê um nome fácil das pessoas guardarem, não precisar ser nada muito óbvio com que a sua aplicação faz.
Resposta Rápida
Responda o mais rápido possível ás dúvidas do seu cliente, o suporte rápido e eficiente deve ser a prioridade no seu negócio, e seja sempre sincero, quando acontecer algum muito errado, por exemplo, deu crash no servidor, seja sincero, e explique o que aconteceu, com certeza ele irá entender.
Mantenha o seu blog atualizado
Um blog parado, passa a impressão que o produto está descontinuado, tirando assim a confiabilidade, atualize sempre, dê uma dica, ensine uma feature, mas mantenha seu blog sempre atualizado
Saiba o que os seus concorrentes estão fazendo.
Se inscreva nos feeds dos seus concorrentes, mas não se aprofunde demais, para o seu produto não perder a personalidade
Siga a maré
Seja sempre aberto para novas possibilidades, e mudanças de direção. Seja um surfista, e não o oceano, tente adivinhar aonde a maré rebenta e se ajuste de acordo ;-).
Aplicando Caindo na Real
Execução.
Todo mundo pode ler um livro, criar um blog, ter uma idéia, todo mundo tem um primo que é web designer.
A diferença entre você e o resto é de como isso será executado. Sucesso se resume a uma grande execução.
Pessoas
Não adianta você aplicar estes conceitos, se você não tem um bom time, com pessoas que realmente gostam do que faz, que se importam com a qualidade do software, pessoas que não guardam informação. Tenha o time certo! Procure os apaixonados.