Introdução a Portais Corporativos

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Se buscarmos a definição de Portal no dicionário, na maioria delas veremos que ele é definido como “uma porta, portão ou entrada”. Quando falamos em Portais web, estamos nos referindo a sites especiais da web ou intranet, que são designados a agir como um gateway de acesso a outros sites.
Um portal agrega informações de múltiplas fontes e torna estas informações disponíveis para diversos usuários. Além de disponibilizar diversas fontes de informações, eles fornecem um guia de serviços que auxiliam os usuários a se direcionarem no meio de tantas informações na internet.
Mais especificamente, um portal não deve ser visto somente como gateway para outros sites, mas para todos os recursos acessíveis na rede, que envolve intranets, extranets ou a própria Internet. Em outras palavras, um portal oferece acesso centralizado para aplicações e todo conteúdo relevante para a empresa/usuários finais. Na Figura 1 apresentamos a arquitetura de um portal, formado por um servidor web, um contêiner de Servlets/Portlets e as aplicações (portlets) para o portal, conforme veremos em detalhes no decorrer do artigo.

Figura 1. Arquitetura de um portal

Durante muito tempo as ferramentas de portal foram ignoradas e até mesmo discriminadas por muitos programadores que achavam que elas eram de uso exclusivo para web designers. Mas com o surgimento da arquitetura orientada a serviços e a busca frenética das empresas em disponibilizar soluções mais baratas e produtivas, com o intuito de reduzir o Time-to-Marketing, esse tipo de ferramenta voltou com toda a força para fazer o que sempre fez: facilitar a vida de todos. A partir desta análise, mostraremos nesse artigo as vantagens do uso de uma ferramenta de portal, e qual o papel do programador neste contexto.
Segurança
A etapa mais cansativa e torturante para um desenvolvedor é ter que gastar seu tempo desenvolvendo módulos de segurança de uma aplicação, sendo que esses módulos geralmente são constituídos por telas de autenticação, tratamentos de usuários e grupos de usuário, utilização de repositórios LDAP, e em algumas vezes a integração com um autenticador para desfrutar do tão desejável Single Sign On .
Além de ter todas essas características, muitas vezes é necessário desenvolver soluções “self-service”, para que o administrador do ambiente de Portal tenha autonomia para gerenciar o repositório de usuários e dar permissões de uso para as funcionalidades da ferramenta.
Praticamente todas as soluções de portal possuem todo esse mecanismo pronto, possibilitando ao programador se dedicar somente no desenvolvimento das aplicações de automatização do negócio.
Conteúdo
No desenvolvimento completo de uma solução como uma “Intranet”, é comum ver que todo o tempo de desenvolvimento é gasto na criação de aplicações para gerenciamento de conteúdo, como funcionalidades de notícias, biblioteca de documentos, áreas institucionais e qualquer outra seção que necessita de um gerenciamento de informações por parte do usuário do sistema. Em um projeto deste tipo, também é comum que todas essas funcionalidades passem por uma governança editorial, e que inevitavelmente necessitem de um mecanismo de workflow. Essas são funcionalidades típicas nas ferramentas de portal, o que fez com que todos achassem que esse tipo de ferramenta só proporcionava esse benefício.
Há empresas que buscam outras soluções que vão além de um simples gerenciamento de conteúdo, indicando que elas devem ser mais robustas e possuir módulos de digitalização, transformação e busca de conteúdo. Esses sistemas, chamados ECM (Enterprise Content Management), muitas vezes dependem de uma ferramenta de portal para disponibilizar o conteúdo trabalhado. Este é só um exemplo de ferramenta que necessita de um portal como camada de visão. E a forma com a qual esse e outros tipos de ferramentas mostram suas funcionalidades é através dos chamados portlets.
Portlet
A internet fornece um conjunto de informações quase que ilimitado para diversos tipos de dispositivos. Com o advento da web foi criado um universo de padrões e protocolos de comunicação, recursos, e uma linguagem de marcação utilizada para apresentação (HTML). Mas a web e seus protocolos foram projetados para atender ao conceito de uma página como um pedaço estático único de informação, apresentado em um navegador, como uma entidade completa e inalterável. Para visualizar outra página, o usuário tem que chamar outra página.
Até o momento, diversos esforços têm sido feitos para superar esta limitação com o uso extensivo de código, como JavaScript/Ajax, ou alguma solução DHTML para trazer ao usuário uma experiência similar e até mesmo superior ao uso de uma aplicação desktop.
Portlet é uma maneira de superar a natureza “tudo ou nada” de uma página HTML. Para defini-los podemos dizer que os portlets são o núcleo dos serviços de um portal, onde uma ferramenta de portal utiliza os portlets como uma interface de apresentação plugável, ou seja, aplicações que podem ser adicionadas em qualquer página em um ambiente de portal, com o objetivo de fornecer qualquer tipo de informação na camada de apresentação.
O conteúdo gerado por um portlet é chamado de fragmento, que na verdade é um pedaço de marcação (ex: HTML, XHTML, etc.) aderente a certas regras, de forma que possamos agregar pedaços de vários fragmentos para gerar um documento.
A página de um portal é composta por um ou mais portlets, que são normalmente agregados com o conteúdo de outros portlets para formar uma página. O ciclo de vida de um portlet é gerenciado pelo contêiner de portlet, conforme veremos logo a seguir. Na Figura 2 apresentamos uma página de exemplo do portal open source Liferay, com a disposição de vários portlets.

Figura 2. Exemplo de uma página de portal
Se olharmos atentamente o conteúdo do navegador na Figura 2, veremos que a página é formada por diferentes janelas. Temos uma janela para um dicionário, outra para um RSS, uma terceira para um calendário, e por último uma para o Google Maps. Cada uma destas janelas representa um portlet. Ao analisarmos o detalhe de cada janela, vamos perceber que cada uma delas contém uma barra de título e alguns botões, incluindo os botões de maximizar e minimizar.
Na verdade, estas janelas são aplicações diferentes, desenvolvidas independentemente uma das outras. O programador desenvolve o portlet como uma aplicação web e empacota em um arquivo .war, e o administrador do portal efetua o deploy deste arquivo .war no servidor de portal e adiciona o portlet recém instalado em uma ou mais páginas do portal.
Pelo fato de você poder colocar o portlet em qualquer página, faz com que você possa reutilizá-lo a todo o momento no portal, até mesmo em uma mesma página. No caso da Figura 3, apresentamos uma página com várias instâncias de um mesmo portlet (Locadora).
Figura 3. Várias instâncias do mesmo portlet em uma página

Repare nesta figura que temos um mesmo portlet na página, mas com instâncias diferentes. A ferramenta de portal tem a responsabilidade de garantir sessões independentes da aplicação, mesmo estando todos na mesma página.
Contêiner
Portlets são executados em um contêiner de portlets. O contêiner fornece aos portlets o ambiente necessário para sua execução e gerenciam o seu ciclo de vida.
O contêiner de portlets recebe as requisições oriundas do portal para executar ações nos portlets em seu ambiente. É importante entender que contêiner de portlets não é responsável por agregar o conteúdo produzido pelo portlet que ele está hospedando, quem faz esta agregação é o próprio portal.
Figura 4. Fluxo de criação de uma página de portal
A Figura 4 acima, apresenta como funciona a construção da página de um portal. Podemos notar que os portlets rodam dentro do contêiner, que recebe o conteúdo gerado pelos portlets. Na seqüência, vemos que o contêiner retorna o conteúdo do portlet para o portal. Por último, o servidor de portal cria a página com o conteúdo gerado pelos portlets e envia para o dispositivo cliente, onde é renderizada (por exemplo, um navegador).
Contêiners de Portlet e Contêiners de Servlets
Os portlets possuem várias similaridades com os servlets, como ambos serem componentes gerenciados por um contêiner especializado, ambos gerarem conteúdo dinâmico, por ambos interagirem com um cliente web através de request/response HTTP. Entretanto, os portlets não podem ser tratados como servlets por conta dos seguintes fatores:
  • Geram somente fragmentos de página no método de renderização, e não documentos completos;
  • Podem somente ser invocados através de URLs construídas através da API de portlet;
  • Clientes web interagem com os portlets através do sistema de portal;
  • Possuem modos pré-definidos de portlet e estados de janela que indicam a função que o portlet está executando;
  • Possuem um tratamento de requisição refinado para action, eventos, requisições de renderização e requisições a recursos;
  • Não possuem acesso a certas funcionalidades fornecidas pelos servlets, como a URL de requisição do cliente ao Portal, ou atribuir o encoding de caracteres para a resposta ao cliente.
Por conta destas diferenças, o JCP decidiu criar para portlets um novo tipo de componente. Porém, ao formular a especificação de Portlets, o JCP procurou sempre que possível, potencializar o uso das funcionalidades fornecidas pela especificação de Servlets. Isto inclui deployment, classloading, aplicações web, gerenciamento de sessão e request dispatching. Por isso, diversos conceitos e partes da API de Portlets foram modelados a partir da API de Servlet.
Os objetos criados em uma aplicação de portal, como portlets, servlets e JSPs são empacotados como uma aplicação web comum (.war), e irão compartilhar o mesmo classloader, contexto de aplicação e sessão no ambiente de execução.
 
No próximo artigo sobre o assunto, vou falar sobre as JSRs 168 / 286 sobre a criação de Portlets. 

5 comentários:

Waelson Negreiros disse...

Wagner,

Parabéns pelo post, simples, direto e objetivo.

Wagner Santos disse...

Obrigado Waelson! Vou publicar outros artigos relacionados em breve, sobre as JSRs 168 286, JSF Portlet Bridges, etc ...
Abraço,

Daniel Della Savia disse...

Parabéns pelo artigo, Wagner! Muito esclarecedor, no aguardo do próximo! Abraços

Wagner Santos disse...

Valeu Daniel!!! Estamos aí! =)

birasblog-birasblog disse...

excelente!